Hashtag Pop

Funcionários da Sumicity cometem ato de homofobia a designer do Hashtag Pop

publicado em
Google Notícias

Por volta das 12h da quinta-feira do dia 26 de dezembro, três funcionários da empresa de telecomunicações Sumicity que estavam na Praça Getúlio Vargas, em Carmo (RJ), dirigiram ofensas de cunho homofóbico a nosso designer, [jp].

O colaborador do Hashtag Pop contou à equipe de redação que ao chegar na praça, três trabalhadores uniformizados se aproximaram e proferiram palavras ofensivas como “hermafrodita” e “aberração”.

Devido à natureza da ofensa e a rapidez da situação, JP não conseguiu registrar imagens ou recuperar informações como nome e sobrenome dos agressores.

Entramos em contato com a Sumicity, que num primeiro momento se dispôs a tomar medidas em detrimento do que ocorreu na cidade de Carmo, RJ. Entretanto, até o momento da escrita dessa denúncia, 9 dias após o ocorrido, não obtivemos resposta sobre quais medidas foram tomadas para identificar ou coibir essas condutas por parte da equipe.

Nossa equipe investigou e descobriu que a Sumicity tem uma parceria com a prefeitura da cidade para monitoramento de áreas comuns como a própria Praça Getúlio Vargas, local onde ocorreram as ofensas.

Local onde JP alegou ter sido ofendido por três funcionários uniformizados da Sumicity
Local onde JP alegou ter sido ofendido por três funcionários uniformizados da Sumicity

Diante da situação, gostaríamos de lembrar que desde 13 de junho de 2019, por decisão de 10 dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal, homofobia se tornou crime inafiançável e imprescritível que pode ser punido com até cinco anos de prisão, assim como em casos de racismo.

Nós do Hashtag Pop prezamos por um mundo plural, no qual a diversidade de credo, orientação sexual e até mesmo vestimentas não sejam um problema para afastar as relações humanas e sim sejam agregadoras de diferentes culturas e modos de pensar. Ainda que estejamos entrando em uma nova década, condutas como essas são realizadas contra pessoas, na maioria das vezes anônimas, que não possuem voz ou meios para expor as agressões, sejam elas verbais — como no caso — ou até mesmo físicas. Seguiremos lutando por um mundo melhor.

Aparece na notícia:
Topo